29 de jul de 2010

Nação Brasil - Carnaval 2002


Autora: Thereza Santos



Índios. Eram os donos da terra. Tupis, guaranis bororós, e muitos outros que povoaram estas paragens, viviam livres entre os rios e as florestas, cultuando seus ancestrais e preservando seus rituais e suas tradições.



Brancos. Primeiro os portugueses. Possuíam o domínio dos mares e corriam mundo afora e um dia aportaram por aqui, descobridores ou invasores? Descobriram o que já existia e tomaram posse da terra que já possuía donos. Com eles veio o regime de escravidão, e os índios guerreiros, subjugados pelas armas foram transformados em escravos.



Negros. De várias etnias de todas as partes do continente africano. Vieram forçados, entre eles reis e rainhas, trazidos como mercadoria para engrossar o continente de escravos indígenas.



É desta mistura caudalosa de raças que surge a nacionalidade brasileira. Miscigenada. Transformando o Brasil no país de todas as raças. E desta mescla com freqüências e contribuições distintas que nasceu a cultura brasileira, formada pelas milenares lendas e rituais indígenas, pelas tradições, as danças, os ritmos, a religião e idiomas dos africanos; e os valores europeus.



E esta terra se transformou em um imenso caldeirão cultural com valores recriados pelo sentido lúdico do povo, como o Tambu, Reisado, Bumba Meu Bou, Caiapós, Cucumbi, Samba, Festa do Divino, Maracatu, Samba de Lenço, Jongo, Cavalhada, Escola de Samba; porque homens de todas as culturas aprenderam a celebrar estendendo para muito além do cotidiano a experiência da vida social, e festivo se uniam para festejar a boa colheita ou cultuar seus deuses.



Inúmeras vezes, irmanados pelo mesmo ideal uniram forças na busca da liberdade e da dignidade, no entanto este país formado por três ralas tem uma visão eurocentrica da sua realidade, e negros e índios que tanto contribuíram para sua nacionalidade, continuam apartados do desenvolvimento social transformados pela sociedade em seres invisíveis e colocados à margem do mercado de trabalho e da produção. Tornando-se obrigatoriamente necessário uma redefinição dos valores sócio-culturais e políticos como forma de terminar com as desigualdades, buscando a igualdade de oportunidades para que este país deixe de ser um planeta branco e renasça com novos valores calcados na sua mistura de raças, como nação.







COMPOSITORES: PAULINHO IMPRENSA/ ROBERTINHO DA TIJUCA



TRÊS POVOS DISTINTOS

CONSTRUÍRAM ESSA NAÇÃO

MAS AINDA EXISTE O PRECONCEITO

CONTRA O NEGRO, O ÍNDIO

O LADO POBRE DA POPULAÇÃO



OS PODEROSOS

ESTÃO RASGANDO

A NOSSA CONSTITUIÇÃO



QUANDO O NAVEGANTE PORTUGUÊS

AQUI CHEGOU

NATIVOS ERAM OS DONOS DO LUGAR

O AFRICANO ELE ESCRAVIZOU

PARA ESSA TERRA TRABALHAR (Ô MISCIGENOU)

A RAÇA NAÇÃO BRASIL



PERANTE DEUS, TUPÃ, OLORUM

SOMOS FILHOS IGUAIS

CHEGA DE PRECONCEITOS

E DESIGUALDADES SOCIAIS.


Nenhum comentário: